16.06.2016
Lonely Girl de Connie Chadwell

Lonely Girl de Connie Chadwell

 

Em 19/06/2015, escrevi um texto sobre meu sonho de futuro (Uma casinha pra morar). Daquelas coisas que a gente gostaria que um dia acontecesse, caso a vida fosse da forma como planejamos.

Mas a verdade é que duvido muito de vir a viver esse sonho. Muitos vão dizer que assumo uma posição derrotista. Talvez seja; talvez um pouco influenciada pela depressão. Ou talvez seja apenas realista.

Tenho tentado criar as condições necessárias para esse futuro. Não é que eu esteja sentada em casa esperando que tudo caia do céu. Não tenho esse perfil. Até porque nunca recebi nada de mão beijada.

Mas o caminhar do mundo, da minha vida, do meu estado de espírito parecem querer escrever outra história para o fim dos meus dias.

A forma como me vejo em 10 ou 15 anos é como aquelas pessoas isoladas de todas as outras, que passa a maior parte do tempo sozinha em casa ou fazendo programas solitários. E não digo isso com sentimento de autopiedade, como alguém incapaz de fazer amigos. Não é esse o caso. O problema sou eu. Eu me isolo na minha solidão porque é mais fácil lidar com ela do que com outras pessoas.

A minha solidão, eu conheço bem. Consigo preenchê-la com minhas reflexões, com minhas leituras e com os filmes. Não me incomodo de olhar para dentro de mim, de me analisar, perceber meus defeitos e minhas qualidades.

As pessoas, de forma geral, preciso aprender a decifrar. Tenho que escutar o que me dizem e ouvir o que elas calam. Preciso olhar para a face e captar o que está por trás da máscara. É necessário que eu seja desconfiada, porque as falas são repletas de mentiras e de autovalorização para que pareçam melhores do que são.

Houve uma época em que eu me divertia tentando decifrar esse enigma, até conseguir captar o outro na sua essência. Mas eu me cansei. Cansei de me magoar achando que tinha entendido os desejos mais íntimos do outro. Cansei de me enganar por causa de variáveis que me eram desconhecidas. Cansei de perder o sono, de chorar escondida, de viver ansiosa, de criar falsas esperanças, de ter saudades dos planos sonhados e nunca realizados.

Por tudo isso, penso em mim em 10 anos e me imagino como Theodore (Joaquin Phoenix) no filme “Her”. Ou como Amélie (Audrey Tautou) no filme “Le fabuleux destin d’Amélie Poulain”. Ou como Max do filme “Mary and Max”. Ou, ainda pior, como Melvin (Jack Nicholson) em “As Good As It Gets”.

Sei que a escrevemos o roteiro da nossa vida. Mas nosso livre arbítrio tem um limite. E é por conta disso que tudo se torna tão nebuloso… Vamos ver…

– Sílvia Souza

Sonnenblume_02_KMJ

  Em 19/06/2015, escrevi um texto sobre meu sonho de futuro (Uma casinha pra morar). Daquelas coisas que a gente gostaria que um dia acontecesse, caso a vida fosse da forma como planejamos. Mas a verdade é que duvido muito de vir a viver esse sonho. Muitos vão dizer que assumo uma posição derrotista. Talvez […]



9.06.2016
Pierre-Auguste Renoir

Pierre-Auguste Renoir

 

Mais uma vez, meu querido amigo Alex André do Blog Lendo Muito!!! lembrou-se de mim e indicou-me para responder a essa TAG. Vale para nos conhecermos um pouquinho mais…

Obrigada, Alex!

1-Qual sua maior inspiração para escrever?

Eu me inspiro em tudo o que acontece na minha vida: meus filhos, relações familiares, filmes que vejo, livros que leio, momentos de tristeza ou de alegria.

 

2-Há algum sonho secreto e que queira revelar?

Talvez meu maior sonho seja de um dia conseguir publicar um livro. Mas acho que esse sonho está cada vez mais difícil de acontecer…

 

3-O que te encanta?

Encantam-me gestos de gentileza, sinceridade, respeito. O mundo precisa de mais pessoas que demonstrem essas qualidades.

 

4-Como descreveria uma viagem dos sonhos?

Uma viagem dos sonhos seria para um destino europeu, onde houvesse lugares bonitos, museus, tranquilidade. E a viagem seria absolutamente perfeita se pudesse ser compartilhada com um amor (o que torna a viagem impossível nesse momento da minha vida). Felizmente, minha vida foi preenchida de várias viagens dos sonhos.

 

5-Como gosta de passar o seu tempo livre?

Gosto de ler, ver filmes, visitar museus e exposições de arte; quando possível, gosto de praia e sol… o mar ajuda a renovar as energias.

 

6-Qual seu estilo de livro preferido? Dê um título para exemplificar.

Gosto de romances bem construídos e que me façam pensar. Um dos livros de que mais gosto (entre vários outros): “A insustentável leveza do ser” de Milan Kundera.

 

7-Tem alguma frase, ditado, provérbio ou citação que norteia sua vida?

Posso citar mais de uma?

Se temos a possibilidade de tornar mais feliz e mais sereno um ser humano, devemos fazê-lo sempre.

– Hermann Hesse

Nunca é cedo para uma gentileza, porque nunca se sabe quando poderá ser tarde demais.

Ralph Waldo Emerson

Não importa quanto poder nem quantos recursos tenhamos, a felicidade vai depender de nossa dimensão de afeto, de carinho, de compaixão e de amor. Se não tivermos isso, a nossa vida vai parecer muito infeliz e sem sentido.

– Dalai Lama

Pode fazer-se tudo, salvo fazer sofrer os outros: eis a minha moral.

– Gustave Flaubert

Seja gentil sempre que possível. E é sempre possível.

– Dalai Lama

8-Que período da história do mundo você gostaria de visitar, se fosse possível? Por quê?

Eu gostaria de visitar a Europa no início do Século XX, o período anterior à Primeira Guerra. Quanto mais eu leio a respeito dessa época, percebo um período de efervescência de produção artística, de grandes escritores, de ideias. Era um período pacífico e a mulher já tinha alguma liberdade (pouca comparada aos dias de hoje, mas maior do que as décadas que antecederam esse período e que sucederam as guerras).

 

9-O que você mudaria em você? Por que?

Eu gostaria de ser menos sensível, menos solitária, mais comunicativa. Gostaria de ser menos autocrítica. E gostaria de acreditar menos nas pessoas… isso faria com que eu me envolvesse menos, fosse menos enganada e sofresse menos.

 

10-Tem saudade de alguma coisa ou de alguém?

Tenho uma saudade imensa dos meus avós maternos. Eles foram extremamente presentes na minha vida e já partiram desse mundo.

E tenho muitas saudades dos sonhos que sonhei e que nunca aconteceram… são saudades doídas essas das coisas que nunca foram…

 

– Sílvia Souza

Sonnenblume_02_KMJ

 

  Mais uma vez, meu querido amigo Alex André do Blog Lendo Muito!!! lembrou-se de mim e indicou-me para responder a essa TAG. Vale para nos conhecermos um pouquinho mais… Obrigada, Alex! 1-Qual sua maior inspiração para escrever? Eu me inspiro em tudo o que acontece na minha vida: meus filhos, relações familiares, filmes que vejo, […]



4.06.2016

 

Eu sigo esse canal no YouTube, Power of Positivity, e também sua página na Internet e no Facebook. Há sempre mensagens rápidas e boas para sermos melhores.

Essas 10 dicas se encaixam perfeitamente para mim, porque já fiz tudo isso para que conseguisse, simplesmente, encaixar-me à sociedade e ao mundo atual. Sempre foi um erro!

Deveríamos ensinar às crianças que nada disso é necessário.

Eu já errei muito na minha vida para, finalmente, descobrir quem eu sou, do que gosto e me assumir dessa forma. Eu tenho um enorme desejo de compartilhar minhas experiências, para que outras pessoas possam tentar evitar os mesmo erros que cometi ao longo da minha vida. Até foi nesse sentido que criei o blog.

Mas expor aspectos íntimos (e que nos envergonham) não é fácil. Ainda não consegui pensar em uma forma de fazê-lo. Um livro? Usando um pseudônimo?

Tudo o que escrevo aqui remete apenas superficialmente às minhas vivências. E tudo o que passei de ruim deixou marcas muito profundas na pessoa que sou hoje em dia… e não sei se algum dias essas marcas irão cicatrizar completamente.

De qualquer forma… contando ou não minhas vivências pessoais… deixo esse vídeo… É um grande ensinamento para nos lembrarmos todos os dias e tentarmos ser nós mesmos e construir uma sociedade melhor.

– Sílvia Souza

Sonnenblume_02_KMJ

  Eu sigo esse canal no YouTube, Power of Positivity, e também sua página na Internet e no Facebook. Há sempre mensagens rápidas e boas para sermos melhores. Essas 10 dicas se encaixam perfeitamente para mim, porque já fiz tudo isso para que conseguisse, simplesmente, encaixar-me à sociedade e ao mundo atual. Sempre foi um […]






%d blogueiros gostam disto:
DESIGN POR JESS