4.06.2016
Gruta de Alvados, Portugal

Gruta de Alvados, Portugal

 

Trila na noite uma flauta. É de algum
Pastor? Que importa? Perdida
Série de notas vaga e sem sentido nenhum.
Como a vida.

Fernando Pessoa

  Trila na noite uma flauta. É de algum Pastor? Que importa? Perdida Série de notas vaga e sem sentido nenhum. Como a vida. Fernando Pessoa



25.04.2016
Estremoz, Portugal

Estremoz, Portugal

 

Depois de não ter dormido,
Depois de já não ter sono,
Interminável madrugada em que se pensa sempre sem se pensar,
Vi o dia vir
Como a pior das maldições —
A condenação ao mesmo.

Álvaro de Campos. Fernando Pessoa. 1934.

  Depois de não ter dormido, Depois de já não ter sono, Interminável madrugada em que se pensa sempre sem se pensar, Vi o dia vir Como a pior das maldições — A condenação ao mesmo. Álvaro de Campos. Fernando Pessoa. 1934.



24.04.2016
Estarreja, Portugal

Estarreja, Portugal

 

Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
Ou metade desse intervalo, porque também há vida…
Sou isso, enfim…
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulho de chinelas no corredor.
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
É um universo barato.

Fernando Pessoa

  Começo a conhecer-me. Não existo. Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram, Ou metade desse intervalo, porque também há vida… Sou isso, enfim… Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulho de chinelas no corredor. Fique eu no quarto só com o grande sossego de […]






%d blogueiros gostam disto:
DESIGN POR JESS