Estou viva!
Previous post
Now reading

Superstições

Família
Next post
Superstições
Superstições

Eu não sou supersticiosa. Nem acredito em astrologia.

Mas acabo sempre comentando sobre signos e, algumas vezes, sigo uma ou outra crendice popular.

Algumas vezes, em passagens de ano, resolvi usar calcinhas novas… já usei branca, amarela, vermelha… O que mudou ou foi diferente no ano que chegou? Absolutamente nada! Não tive mais paz, nem dinheiro, nem amores. Há um ano, usei uma calcinha vermelha e 2015 foi o ano mais solitário da minha vida (pós adolescência).

Alguns podem dizer que foi falta de fé. E talvez tenha sido mesmo, porque nunca acreditei de verdade nessa bobagem, nem em outras superstições.

Ler horóscopos me faz rir. As crendices inexplicáveis também. Recorro a elas em momentos de desespero, naqueles em que nada mais funcionou, apenas com o pensamento: “Vai que dá certo…”. E assim tomei canjica para aumentar o leite enquanto amamentava; coloquei uma linha na testa do bebê para interromper o soluço; nunca deixei o chinelo virado para baixo para que nada de mal acontecesse à minha mãe.

A única coisa que sempre funcionou (talvez por pura coincidência) é pedir para São Longuinho sempre que não consigo achar alguma coisa. E sempre obedeci à regra de agradecer com três pulinhos e três beijinhos (situação meio constrangedora…).

Fui a videntes umas três vezes na minha vida. E o intuito sempre foi o de escutar coisas agradáveis como: que encontrarei o homem da minha vida, que tenho um futuro maravilhoso pela frente, que terei muito sucesso no trabalho e assim por diante. A melhor das vezes foi com uma moça que lia Runas. Ela realmente tinha uma sensibilidade muito grande para o que eu precisava escutar. E não deu soluções nem disse nada definitivo, mas fez com que eu saísse do encontro me sentindo muito bem. Acho que esse é o objetivo, não é? Afinal, como alguém pode dizer o que irá acontecer na minha vida?

Sei que quando saí dessa consulta, relatei ao homem que eu amo o que a Ana tinha lido nas pedras (uma das coisas era que ele me amava muito). E ele me disse que as pedras tinham que ser meteoros para conseguir representar o amor dele por mim, que era imenso e impossível de ser quantificado.

E mesmo esse amor tão grande não conseguiu manter nossa ligação. O mundo joga duro. E ninguém consegue definir nosso caminho a não ser nós mesmos.

Seguirei sem acreditar, comentando a respeito para puxar assunto, para me sentir bem e no caso de “vai que funciona, afinal?”.

– Sílvia Souza

(30/12/2015)

 

Written by

2 Comments
  • sibilahonda disse:

    Como a vida seria simples e sem graça se fosse possível alguém nos predizer o futuro…..
    Fazer ou deixar de fazer alguma coisa para ter determinado resultado está mais na fé….. (como EU considero homeopatia e florais)
    Mas tudo isso nos aquece a alma…. na esperança….

Instagram
  • #gilbertcesbron #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #catão #ocensor #citações #romaantiga #reflexõesdesilviasouza
  • #françoisehéritier #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #jorgeluisborges #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #miguelestevescardoso #citações #reflexõesdesilviasouza