Now reading

“SENSITIVE – The Untold Story”

“SENSITIVE – The Untold Story”
“SENSITIVE – The Untold Story”

Há cerca de 3 meses, fiz uma descoberta sobre mim que mudou muita coisa na minha vida e fez com que eu fosse menos crítica comigo mesma. Será que eu já deveria saber tudo sobre mim nessa fase da vida? Não. Definitivamente não. Se eu dissesse que já me conheço completamente, eu seria daquelas pessoas com as opiniões engessadas e que não admitem novos olhares sobre as coisas. E não quero ser assim.

Cheguei a escrever um post no início de julho sobre minha descoberta pessoal (Uma Pessoa Altamente Sensível).

E o mais impressionante é que se estima que cerca de 20% das pessoas tenham essa característica da sensibilidade. À primeira vista, parece uma coisa pejorativa. Eu via dessa forma. Achava que era uma pessoa que não se enquadrava ao mundo, à sociedade e me fechava cada vez mais em mim mesma. E quanto mais depoimentos eu leio e escuto de Pessoas Altamente Sensíveis (homens ou mulheres), vejo que o que sentem sobre si mesmos é essa mesma coisa… como se houvesse algo errado, algo que dificultasse se ajustar ao mundo.

Kelly O’Laughlin tem um Blog e um Podcast sobre pessoas assim e em um de seus posts consegue resumir bem quem somos (mesmo que haja pequenas diferenças no perfil de cada pessoa individualmente: How to Explain Being an HSP.

Algumas características:

  1. Nós pensamos profundamente. Pode levar mais tempo para tomarmos uma decisão, porque ponderamos com cuidado cada uma das opções. Detestamos cometer erros.
  2. Temos facilidade em sentir empatia por outras pessoas de forma muito intensa. Algumas vezes chegamos a sentir a dor dos outros como se fosse nossa.
  3. Nos sentimos incomodados facilmente por desconfortos físicos, como temperatura, luzes, sons.
  4. Somos altamente conscientes e perceptivos das emoções e humor das outras pessoas.
  5. Nos emocionamos profundamente por músicas, natureza, arte.
  6. Não conseguimos lidar com muitas coisas ao mesmo tempo e nos sentimos sobrecarregados com facilidade.
  7. Não gostamos de situações com violência excessiva ou de desrespeito com outras pessoas.
  8. Geralmente somos introvertidos.

Descrito assim, sempre parece uma coisa de pessoa fraca, incapaz de lidar com os problemas. E foi sempre assim que me senti. Até perceber que há inúmeras qualidades e que posso aprender a trabalhar as vantagens que essa característica me traz como pessoa.

O trabalho da Dra. Elaine Aron (que organizou e descreveu essas características) foi transformado em um filme, que teve sua Première no dia 10 de setembro em São Francisco (CA). Assisti ao filme ontem (online). É um documentário muito interessante sobre as dificuldades das pessoas e como conseguiram contornar os problemas desses traços de personalidade em um mundo altamente exigente como o que vivemos. O filme é “Sensitive – The Untold Story“.

Uma das histórias contadas no filme e que mais me tocou foi da cantora canadense Alanis Morissette. Vai fazer 20 anos esse ano que ela lançou o álbum “Jagged Little Pill, que se transformou em um sucesso imediato. E ela, uma pessoa altamente sensível (que na época nem tinha ideia de que isso existia), não conseguiu lidar com a exposição excessiva, com a falta de privacidade, com o mundo das celebridades. E ela teve um breakdown (colapso).

Vivemos em uma sociedade hostil. Isso não é novidade para ninguém. Mas para muitas pessoas, a vida pode ser muito mais hostil. Por que queremos exigir que todos consigam enfrentar as dificuldades igualmente? Por que não tentamos perceber as qualidades e singularidades de cada pessoa, para estimulá-la da forma certa e permitir que ela se destaque sem que sinta tão pressionada? Por que temos tanta dificuldade de respeitar o silêncio alheio, as pessoas que preferem escutar a falar? Por que temos tanta necessidade de acelerar tudo e todos, exigindo respostas imediatas e ações instantâneas? Por que não conseguimos respeitar o tempo de cada pessoa?

Só queria um mundo mais tolerante e que soubesse respeitar mais as pessoas com todas as suas particularidades. Eu e meus sonhos impossíveis…

 

– Sílvia Souza

(12-09-2015)

Written by

8 Comments
  • aurokam disse:

    Ai, caramba. Acho que sou um hsp que desenvolveu uma concha pra encarar a vida. A sociedade não perdoa homens hsp. Macho também sofre…

  • Opa, adoro dicas de filmes! Buscarei para assistir.

  • vileite disse:

    Parabéns pelo ótimo texto muito reflexivo !

  • Suelem disse:

    Muito bom seu texto. Comecei a ler alguns artigos falando desse livro, sinto que também sou uma pessoa altamente sensível, explica várias situações que eu não compreendia, mas não encontro o livro para comprar. você saberia me informar onde encontrá-lo?

    • Silvia Souza disse:

      Boa noite, Suelem!
      Tudo bem?
      Não há uma versão em português disponível atualmente. Ela está esgotada e também não encontrei na Estante Virtual.
      Você lê bem em inglês?
      Ele está disponível em inglês na Amazon, tanto em e-book como em livro físico.
      Se eu puder ajudar em algo, me avise.
      Beijo!

Instagram
  • #marcoaurélio #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #joséluíspeixoto #citações ##abraço #reflexõesdesilviasouza
  • #fernandopessoa #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #fernandopessoa #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #fernandopessoa #citações #reflexõesdesilviasouza