Parte 1: O inexplicável
Previous post
Now reading

Saúde: Pais que brincam com filhos

Saúde: Pais que brincam com filhos
Saúde: Pais que brincam com filhos

Quem trabalha em área de saúde sabe que tudo precisa estar devidamente comprovado através de trabalhos de pesquisa para ser aceito como uma verdade. Mesmo que algo pareça óbvio e inquestionável, sempre pode aparecer alguém e dizer que aquela informação nunca foi de fato comprovada.

Apenas para o caso dos céticos que precisam ver o resultado publicado em uma revista, saiu recentemente, na revista Obesity, o estudo “The longitudinal association between early childhood obesity and fathers’ involvement in caregiving and decision-making” (A associação longitudinal entre a obesidade infantil e o envolvimento dos pais em cuidados e tomada de decisão) de Michelle S. Wong et col.

De acordo com a publicação, os pais que se envolvem mais em criar seus filhos podem estar ajudando a diminuir o risco deles desenvolverem obesidade.

Para o estudo, os pesquisadores examinaram a frequência com que os pais de crianças pequenas participaram de atividades como cuidar, preparar refeições e partilhar jogos e outras brincadeiras ao ar livre e o quanto eles ajudavam nas decisões relacionadas à nutrição, saúde e disciplina quando seus filhos tinham 2 e 4 anos de idade.

Aos 4 anos, as crianças tinham 30 por cento menos chances de serem obesas se seus pais aumentassem a quantidade de tempo empregado levando-as para passear e brincar, em comparação com aquelas crianças cujos pais permanecessem mais desligados dessas funções ou que até reduziram seu envolvimento com seus filhos quando eles tinham entre dois e quatro anos.

Cada tarefa adicional que os pais acrescentaram diariamente – como ajudá-los a se vestir, a tomar banho, a escovar os dentes e nas rotinas para dormir – foi associada a uma redução adicional de 33% no risco de obesidade da criança.

“É possível que, quando os pais estejam mais envolvidos, a quantidade total de tempo que os dois pais dedicam aos cuidados infantis aumenta – não é apenas a mãe que presta cuidados, mas o pai também”, disse a principal autora do estudo, Michelle Wong, da Escola de Saúde Pública da Johns Hopkins. “Quando ambos os pais estão mais envolvidos, a qualidade dos cuidados também pode melhorar”, disse Wong.

Cerca de 9% das crianças americanas de 2 a 5 anos são obesas, assim como cerca de 18% dos jovens de 6 a 11 anos, de acordo com o Centro para o Controle e Prevenção de Doenças.

Para avaliar a influência que os pais podem ter sobre o risco de obesidade no início da infância, os pesquisadores examinaram os dados de um grupo nacionalmente representativo de cerca de 10.700 crianças nascidas em 2001, que foram seguidas até a primeira série, quando as crianças têm entre 6 e 7 anos de idade.

Todos os pais viviam em casa com seus filhos em famílias com pai e mãe, mas não eram os cuidadores primários. Em média, os pais trabalhavam cerca de 46 horas por semana e as mães trabalhavam cerca de 18 horas por semana.

Dos 2 aos 4 anos, a proporção de crianças com excesso de peso diminuiu de 14% para 8%. No mesmo período, a proporção de crianças obesas diminuiu de 6% para 4%. Cerca de um quarto dos pais aumentou a quantidade de tempo que eles dedicavam aos cuidados com as crianças e às brincadeiras durante o período de estudo, enquanto que de 30% a 40% dos pais diminuíram o tempo gasto nessas atividades.

Embora alguns pais tenham se envolvido mais na tomada de decisões durante o estudo, isso não pareceu influenciar diretamente as chances de obesidade das crianças.

O estudo não foi um experimento controlado desenhado para provar se ou como o envolvimento dos pais com crianças afeta diretamente a probabilidade delas desenvolverem obesidade. Outras limitações do estudo incluem a dificuldade dos pais recordarem com precisão e notificarem o quanto eles se dedicaram aos filhos; além disso, o estudo incluiu apenas famílias com pai e mãe morando juntos e os resultados não podem ser extrapolados para os casos em que as crianças vivem apenas com um dos pais.

O envolvimento dos pais no cuidado e nas brincadeiras das crianças pode ter muitos benefícios para os filhos, benefícios que vão além do risco de obesidade. Isso não significa que as mães ou outros adultos não possam proporcionar o mesmo benefício. Mas, como eu descrevi logo no início, a medicina se baseia apenas nas informações que foram devidamente comprovadas e, nestes estudo, foi avaliado apenas o benefício de maior tempo de dedicação dos pais.

É sempre importante lembrar que as crianças precisam de carinho e atenção; além disso, elas tenderão a seguir os exemplos que recebem. Quando as pessoas mais próximas das crianças mostram atenção à alimentação e praticam atividades físicas ou lúdicas ao ar livre, os filhos gostarão de seguir esse exemplo com maior probabilidade.

 

Written by

Deixe uma resposta

Instagram
  • #miguelestevescardoso #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #cesarecantú #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #thubtenchodron #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #albertcamus #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #lamatseringeverest #citações #budismo #reflexõesdesilviasouza