Now reading

Pixar e “O Bom Dinossauro” (“The Good Dinosaur” – 2015)

Pixar e “O Bom Dinossauro” (“The Good Dinosaur” – 2015)
Pixar e “O Bom Dinossauro” (“The Good Dinosaur” – 2015)

 

Eu me lembro quando “Toy Story” estreou nos cinemas em 1995. Foi o primeiro longa de animação completamente feito no computador. Eu já era adulta e não tinha filhos ainda, mas o filme me conquistou completamente. O acordo inicial com a Disney para um filme foi estendido para 10 anos, tamanho sucesso de “Toy Story” nos cinemas. E a Pixar foi crescendo de tamanho e pessoas envolvidas ao processo de criação.

Em 1998, a Pixar lançou “Vida de Inseto“. Foi outro sucesso enorme, tornando o nome da Pixar um sinônimo de animações de qualidade.

A seguir, em 1999, foi lançado “Toy Story 2“, que conseguiu uma façanha rara no cinema: fez mais sucesso e arrecadou mais em bilheteria do que o filme original. Não sei quantas vezes assisti a esse filme com meus filhos… os personagens são absolutamente cativantes.

A partir de então, eu já ficava esperando com ansiedade o próximo filme de animação que a Pixar lançaria nos cinemas. E o filme vinha sempre acompanhado de um curta que costumava ser tão bom quanto o longa. Em 2001, saiu “Monstros S.A.“. Quando esse filme estreou, meu filho mais velho já era nascido e não tenho certeza se consegui assisti-lo no cinema.

Sempre me questionava se a Pixar seria capaz de vir com algo melhor, tanto em roteiro como em qualidade técnica. Mas não me desapontava. Em 2003, lançaram o maravilhoso “Procurando Nemo“, com a representação perfeita dos corais e uma história sensível e emocionante. Criou-se no prêmio da Academia (Oscar) a categoria de Melhor Animação e “Procurando Nemo” foi o ganhador da categoria.

Os Incríveis” estreou em 2004. Não tinha como não gostar do filme. Meu segundo filho nascera nesse mesmo ano. Os dois assistiram a esse filme à exaustão. Confesso que esperávamos uma continuação, mesmo sabendo que não era uma característica da Pixar de fazer continuações, a menos que criassem um roteiro tão bom quando o original.

Em 2006, ao completar 20 anos de existência, a Pixar lançou “Carros“. Embora o filme tenha sido alvo de várias críticas por causa da sustentabilidade, foi uma animação que agradou demais as crianças. Meus meninos tinham todos os personagens e o Lightning McQueen era inseparável do meu filho caçula. Nesse mesmo ano, a Disney e a Pixar anunciaram o acordo de aquisição, em que a gigante Disney comprava a Pixar, mas prometia que essa última teria total independência no processo criativo.

Ratatouille” estreou em 2007. Quem poderia imaginar um filme infantil cujo personagem central seria um rato, mas não na sua forma bonitinha como Mickey ou Jerry? Fazia um ano que tínhamos voltado da França e esse filme retratava Paris de forma maravilhosa e perfeita. Em 2008, saiu “Wall-E“; chorei de soluçar mais da metade do filme. Em 2009, foi a vez de “Up“, que abriu o festival de Cannes com sua animação em 3D. Em 2010, a Pixar emocionou todos os pais com “Toy Story 3“. Não há pai e mãe que não sofra com a possibilidade do filho sair de casa. E o filme tratou esse momento de distanciamento de uma forma linda e muito sensível; foi outro filme que chorei de soluçar no cinema, envergonhando meus filhos.

Em 2011, a estreia de “Carros 2” foi, na minha opinião, uma concessão da Pixar aos pedidos da Disney para o lançamento de filmes mais rentáveis do ponto de vista de produtos associados, usando personagens já conhecidos do público. Não acho que o filme tenha sido ruim; mas não seguiu o padrão de excelência que a Pixar mantinha até então.

Valente“, em 2012, concedeu o papel principal do filme a uma mulher. E de forma diversa dos filmes da Disney, com suas princesas em busca do Príncipe Encantado, era uma princesa que se recusava a se casar e queria fazer várias coisas que não eram destinadas a mulheres naquela época. Embora não tenha sido dos maiores sucessos da Pixar, teve a importância em representar o empoderamento da mulher.

Universidade Monstros“, em 2013, foi outro lançamento que desapontou um pouco. Nem mesmo fui assisti-lo nos cinemas. Parecia outra pressão dos estúdios Disney para que personagens de sucesso prévio fossem reaproveitados em continuações que perdiam em qualidade para o original.

Em 2015, a Pixar fez algo inédito em sua história: lançou dois filmes no mesmo ano. Com “Divertida Mente“, eles se superaram; o filme (que agradou mais crianças mais velhas e adultos) representou de forma maravilhosa os sentimentos e nossa forma de lidar com os variados acontecimentos em nossas vidas. Não havia como não ganhar o Oscar de Melhor Animação em 2016.

Por outro lado, “O Bom Dinossauro“, que assisti na TV nesse final de semana, é um filme bem fraco do ponto de vista do roteiro, aspecto que sempre foi um diferencial da Pixar. A animação é linda, em especial na retratação da natureza, do rio, das árvores, montanhas. Mas a história é totalmente previsível, sem grandes emoções. Parece que eles reuniram uma série de clichês de filmes antigos da Disney e colocaram todos eles nessa animação. Pode ser que tenha agradado crianças pequenas. Mas foi uma decepção para mim, que associo a Pixar a algo novo, inovador, surpreendente.

Vamos ver como será “Finding Dory“, que trará os mesmos personagens do maravilhoso “Procurando Nemo” e deverá estrear em 30 de junho desse ano.

– Sílvia Souza

Written by

2 Comments
  • Leandro Tissiano disse:

    Concordo Silvia. Eu também achei bem fraquinho. Embora você esteja falando da Pixar, em compensação a Walt Disney, com o filme ZOOTOPIA ESSA CIDADE É O BICHO é lindo. Passa uma mensagem maravilhosa para crianças e adultos. Aliás é a minha cara o filme, kkkkkk. A coelhinha Judy dá um banho de superação em muito marmanjão. Dei muita risada. O filme é maravilhoso. Desculpe atravessar o seu post. Abraço!

    • Olá, Leandro!
      Que bom que você passou por aqui para deixar um comentário… Não tem que pedir desculpas… fico muito feliz!
      Ainda não consegui assistir a Zootopia. As animações da Disney têm saído com a interferência do Lasseter, da Pixar, e melhoraram muito.
      Beijo grande!

Instagram
  • #jamesbaldwin #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #mikhailbakunin #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #JamesJoyce #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #gastonbachelard #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #victorhugo #citações #reflexõesdesilviasouza