Now reading

Livro “Uma Princesa em Berlim” de Arthur R. G. Solmssen

Vida
Next post
Livro “Uma Princesa em Berlim” de Arthur R. G. Solmssen
Livro “Uma Princesa em Berlim” de Arthur R. G. Solmssen

Título original: A Princess in Berlin

Primeira publicação: 1980

Editora: Record

 

1. O Autor

Arthur R.G. Solmssen nasceu em 29 de Setembro de 1928 em Nova York. Ele passou uma parte de sua infância em Berlim e sua adolescência na Filadélfia. Ele estudou na Universidade de Harvard, onde completou seu bacharelado de Artes em 1950 e, posteriormente, obteve sua graduação em Direito pela Universidade da Pensilvânia, em 1953. Além de advogado, ele também ficou conhecido por seu trabalho como romancista.

Solmssen publicou vários romances. O mais famoso deles foi “Uma Princesa em Berlim” (1980). Por esse livro, ele recebeu o prêmio Athenaeum Literary Award.

 

2. Sinopse

Berlim, 1922. A cidade vive um período de caos, por conta das inúmeras dificuldades que se seguiu à vitória aliada na Primeira Guerra Mundial. A inflação está totalmente fora de controle, o dinheiro perdeu seu poder de compra, a população passa fome. Esse cenário favorece o crescimento de movimentos nacionalistas, que passam a seguir um desconhecido militar austríaco, Adolf Hitler. Algumas famílias conseguem manter suas fortunas. Entre eles, alguns banqueiros, em sua maioria, judeus e especuladores.

Em meio a esse ambiente histórico, Solmssen constrói sua ficção. O personagem principal é o americano Peter Ellis, que vai a Berlim a convite de um ex-soldado alemão de quem ele salvou a vida na Guerra, Christoph Keith. Peter vive de forma a se confrontar com os dois aspectos da capital alemã: frequenta, por um lado, os salões elegantes dos nobres e banqueiros e, por outro, os bairros boêmios dos artistas. Ele se apaixona pela filha de um banqueiro judeu, Waldstein. Mas acaba se envolvendo em eventos políticos graves.

 

3. Impressões

O livro não está disponível nas livrarias. Devido ao meu interesse pela Segunda Guerra Mundial e aos eventos que levaram a ela, esse livro entrou na minha lista de leitura e consegui comprá-lo em um sebo. A edição brasileira é da Editora Record, de 1980, com tradução de A. B. Pinheiro de Lemos.

Esta obra se desenvolve no período de entre guerras. Solmssen foi muito fiel aos eventos históricos, com a inserção de datas, nomes, eventos. Há até quem o critique por ter deixado o romance histórico demais. Mas, na minha opinião, é justamente isso que torna o livro tão interessante. A mim, pareceu que eu compreendia exatamente tudo o que foi acontecendo na Alemanha após a I Guerra, mas contando com a ilustração de personagens que facilitavam a leitura e o envolvimento aos fatos.

Alguns fatos políticos reais narrados em detalhes no livro: o assassinato do Ministro da Economia Walther Rathenau por extremistas nazistas; o golpe de Estado (golpe do Kapp) pelo general Lütlwiz; o golpe de Estado de Hitler. Além disso, ele descreveu toda a dificuldade econômica, a perda do valor da moeda alemã, as estratégias do governo para fazer com que o povo acreditasse nos planos. E é interessante (e triste) a descrição da necessidade de sacolas e mais sacolas de dinheiro para comprar qualquer coisa; chegando até o extremo do dinheiro recebido de manhã pelos trabalhadores não ser capaz de comprar o jantar na volta para casa. Ele narra a fome que atingiu a todos no pós-guerra, por causa dos embargos contra a Alemanha. A necessidade das pessoas buscarem formas de ganhos, inclusive com a prostituição.

Em meio aos personagens e fatos criados para o livro, ele insere pessoas conhecidas na época, como o pintor Max Liebermann (1847-1935); o autor teatral Arthur Schniztler (1862-1931) com a obra “Reigen” estreada em 1900; o poeta, dramaturgo e compositor Bertolt Brecht (1898-1956).

O momento histórico se situa na época do governo da República de Weimar (1918 – 1933), novo regime político que se proclamou em novembro de 1918, depois da fuga do Kaiser Guillermo II. Instaurando-se um Governo Provisório formado por membros do Partido Social Democrata Alemão e o Partido Social Democrata Independente.

Em janeiro de 1923, a França invadiu o Ruhr para explorar as minas de carvão. O governo alemão pediu aos trabalhadores para manterem uma resistência pacífica. Neste mesmo ano, Hitler tenta tomar o poder na Baviera e organizar um golpe nacionalista contra o governo de Berlim; ele acabou sendo preso.

A narrativa do romance percorre dois anos. Mas talvez tenham sido também os anos mais confusos e sofridos e que conseguiram explicar um pouco dos fatos que favoreceram o crescimento dos movimentos extremistas. Como todas as pessoas foram perdendo suas posses e passaram a fazer trocas ou vendas por qualquer valor para poderem continuar vivendo. E os aspectos revoltantes daqueles que especulavam, aproveitando-se da valorização das moedas estrangeiras em relação ao marco.

Não havia alimentos ou as pessoas não tinham como comprar. São descritos os momentos em que começam a faltar energia elétrica, aquecimento, água.

Os horrores da II Guerra não são compreensíveis de nenhuma forma. Mas é possível entender um pouquinho os fatos que permitiram os movimentos nacionalistas de crescerem e a aceitação de Adolf Hitler como seu líder.

– Sílvia Souza

 

Written by

Instagram
  • #jamesbaldwin #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #mikhailbakunin #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #JamesJoyce #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #gastonbachelard #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #victorhugo #citações #reflexõesdesilviasouza