Filme
Previous post
Now reading

Livro “Anna Kariênina” de Liev Tolstói

Livro “Anna Kariênina” de Liev Tolstói
Livro “Anna Kariênina” de Liev Tolstói

Título Original: Анна Каренина

Primeira Publicação: 1878

Tradutor: Rubens Figueiredo

Editora: Cosac Naify (01/10/2009)

ISBN: 8575038419 (ISBN13: 9788575038413)

Sinopse: Estruturado em paralelismos, o livro se articula por meio de contrates – a cidade e o campo; as ‘duas capitais’ da Rússia (Moscou e São Petersburgo); a alta sociedade e a vida dos mujiques; o intelectual e o homem prático etc. Os dois principais personagens, Liévin, um rico proprietário de terras, e Anna, uma aristocrata casada, só se encontram uma vez, em toda a longa narrativa. Mas nem por isso estão menos ligados, pois à situação de um permanece constantemente referida a situação do outro. Nesta tradução, a frequente repetição das palavras e as frases longas foram mantidas em sua integridade. 

 

A primeira edição do livro foi publicada em 1878.

Terminei esse livro ontem à noite. Há tantas coisas que quero deixar registrado sobre as minhas impressões do livro que, provavelmente, terei que escrever aos poucos, seguindo cada linha do meu pensamento.

Amanhã é o Dia Internacional da Mulher. E há tantas informações no livro sobre as dificuldade das mulheres, que eram presentes naquele final do século XIX; e muitas delas ainda são presentes nesse início de século XXI.

Como alguns escritores conseguem criar e dar vida aos personagens de tal forma a torná-los quase reais, de carne e osso, e termos a sensação de que estão conosco, compartilhando sua história, criando uma amizade que será eterna?

Anna Karenina. Emma Bovary. As mais famosas adúlteras da literatura universal.

Na literatura portuguesa, eu ousaria citar Luísa de “O Primo Basílio”.

E a todas elas sempre coube o mesmo final trágico. Não havia a possibilidade de deixá-las vivas. A morte era obrigatória. Começamos a leitura sabendo o desfecho. E o que há entre o início e o final das histórias dessas mulheres comuns? Muita insatisfação, ociosidade, tédio.

Há algum homem adúltero na literatura que tenha feito fama? Que tenha morrido por não ter como lidar com essa situação perante a sociedade? Que tenha sido condenado pelos amigos e conhecidos? Que tenha sido chantageado?

Os três exemplos de mulheres que citei são poucos. Há inúmeros romances que descrevem o adultério feminino. Condenar os livros ou os escritores é muito fácil. Quantos param para analisar as motivações?

Traição. Mentira. Enganação. Falsidade. É fácil condená-las e desejar sua morte e que sejam desmascaradas, destruídas, insultadas.

Anna Karenina é uma mulher sedutora e que exerce um fascínio nos homens que travam contato com ela. Possui uma beleza indescritível. E é inteligente. Ainda assim, creio que a maioria das pessoas não tenha empatia por ela na leitura do livro (ou no filme de 2012 baseado na obra de Tolstói).

Ela se tornou uma escrava. Foi uma escrava a vida toda. Foi escrava da situação com o marido, que não lhe cedia o divórcio e a impediu de ver o filho. Virou uma escrava da situação com o amante, de quem dependia e que se tornou a única referência que ela passou a ter no mundo, já que a sociedade não a aceitava mais. Escrava das aparências; das falsidades.

E o pior é que não consigo achar que essa mulher (personagem) esteja tão distante do que vivemos hoje. É claro que a mulher conquistou muitos direitos. É claro que há inúmeras leis que nos protegem. Mas dentro de casa, na vida real, no trabalho ou na sociedade, quanto ainda falta para que sejamos tão respeitadas quanto os homens?

– Sílvia Souza

(07/03/2015)

  1. “Anna Karenina” – 1948 de Julien Duvivier com Vivien Leigh

 

2. “Anna Karenina” – 1997 de Bernard Rose com Sophie Marceau

 

3. “Anna Karenina” – 2012 de Joe Wright com Keira Knightley

 

4. Anna Karenina – 2012 – 1935 – 1948 – 1967 – 1997 – 2009 films

 

Written by

Instagram
  • #francescoalberoni #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #honorédebalzac #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #JaimeDeBalmes #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #jamesbaldwin #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #mikhailbakunin #citações #reflexõesdesilviasouza