Now reading

Filme “Viva a França!” (2015)

Filme “Viva a França!” (2015)
Filme “Viva a França!” (2015)

Foi infeliz o título deste filme em português. Não sei qual seria o título adequado, mas não seria “Viva a França!”. O título original em francês é En mai, fais ce qu’il te plaît, uma frase que é citada no filme; em inglês, o título ficou como Come what may.

Antes do início da Segunda Guerra, já com o partido nacional-socialista e Hitler no poder, um membro de partido comunista resolve fugir com o filho da Alemanha, após ser avisado de que seria preso. Eles conseguem chegar à França e ele mente sobre sua nacionalidade, dizendo ser belga. Ele passa a trabalhar em uma pequena cidade no norte da França.

Mas como o filho tinha dificuldade com a língua e acaba falando em alemão algumas vezes, quando a guerra é declarada, ele acaba sendo denunciado, porque as pessoas tinham receio de que ele fosse um espião. Seu filho fica sob os cuidados da professora.

Seis meses depois, a França é invadida pela Alemanha e um êxodo enorme de pessoas acontece do norte para o sul do país. Foi o maior êxodo do Século XX, com o deslocamento de milhões de pessoas que deixaram suas casas tentando fugir da guerra e do exército alemão.

Os habitantes da pequena cidade onde Hans e seu filho Max se esconderam resolvem sair todos juntos em direção ao sul. Max segue cuidado pela professora, mas tem receio de não encontrar mais o pai. Ele acaba usando a estratégia de deixar avisos para o pai nas escolas por onde passam, escrevendo recados nas lousas.

Hans é liberado da cadeia e foge em busca do filho. Acaba fazendo a jornada em companhia de um soldado escocês, cujo batalhão tinha sido completamente dizimado pelos soldados alemães e de um francês que tinha ficado na pequena cidade, porque ficou dormindo na adega quando todos partiram.

O aspecto central do filme é o mostrar a invasão da Alemanha e o deslocamento destas milhões de pessoas, buscando a sobrevivência. Para a maioria delas, as lembranças da Primeira Guerra ainda eram muito recentes e elas tinham receio de enfrentar novamente tanta violência.

O filme faz questão de retratar o lado humano do conflito: os soldados que morreram e deixaram filhos órfãos (independente de serem alemães ou aliados); as pessoas que tentaram usar a guerra para lucrar em seus negócios; o uso de soldados das colônias francesas na África para combater na guerra que acontecia na Europa; o sistema de propaganda alemão, fazendo filmes que engrandecessem seus exércitos, matando de forma covarde os prisioneiros de guerra.

Este é um filme sensível e realista, sem muitos efeitos especiais, mas muito bem produzido, que nos fornece mais um ângulo deste conflito recente da nossa história. Eu apenas gostaria que as pessoas se interessassem por este momento histórico como um aprendizado, como uma possibilidade de construir sociedades melhores e mais humanas.

Existem momentos em que minhas esperanças ficam mais fracas. Depois me lembro que preciso mudar minha perspectiva. Não devo esperar qualquer mudança em 50 ou 100 anos. Mas talvez, aos poucos, as sociedades mudem e construam algo melhor. E quem sabe, os conflitos e as violências possam ser reduzidos. Este é um dos meus maiores desejos.

 

Written by

Instagram
  • #miguelestevescardoso #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #cesarecantú #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #thubtenchodron #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #albertcamus #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #lamatseringeverest #citações #budismo #reflexõesdesilviasouza