Now reading

Filme: “Belle e Sebastien” – 2013 (“Belle et Sébastien”)

Filme: “Belle e Sebastien” – 2013 (“Belle et Sébastien”)
Filme: “Belle e Sebastien” – 2013 (“Belle et Sébastien”)

Mais um filme francês. Ele foi minha companhia nessa tarde de sábado, debaixo de um cobertor, na solidão do meu apartamento.

Além de tudo o que se refere à França, há uma outra coisa que me fascina: tudo o que se refere à Segunda Guerra Mundial. Acho que já escrevi isso inúmeras outras vezes.

A guerra acabou há 70 anos. A forma de vida naquela época não era assim tão diferente de hoje em dia… nem os princípios ou as leis ou a estrutura da sociedade.

Eu sei que há inúmeras guerras em vários lugares do planeta hoje em dia. Tão cruéis quanto a Segunda Guerra. Eu sei que vivemos no Brasil uma guerra diária, com incontáveis pessoas assassinadas todos os dias.

Somos de tal forma hipócritas, que a maioria de nós faz de conta que está tudo bem, porque muitos conseguem viver isolado das zonas mais perigosas ou dos países onde há os conflitos. E vamos vivendo nossa vidinha diária como se nada pudesse nos atingir.

Mas na Segunda Guerra, a guerra que destruiu quase toda a Europa, somada às invasões russas e às guerras civis na Espanha e em Portugal, toda a sociedade estava envolvida. Por mais que houvesse lugares onde se tentasse viver uma vida normal.

E quantos não se arriscaram em tentativas de salvar algumas pessoas, de ajudar como podiam. Havia aqueles que dividiam suas rações escassas com refugiados escondidos. Era uma luta pela sobrevivência. Mas muitas pessoas anônimas (e que permanecem anônimas) fizeram sua parte. Pessoas anônimas que mudaram o destino de outras pessoas. Esse é o exemplo máximo de compaixão.

Eu tento assistir a todos os filmes que tratam da Segunda Guerra, independente do que seja tratado. Alguns aspectos já foram bastante explorados, mas sempre encontro filmes que me surpreendem com um novo olhar.

Esse filme francês não aborda diretamente a guerra. A guerra está inserida nele como uma realidade. Mostra uma amizade comovente entre um menino órfão e um cachorro selvagem, que se isolou das pessoas após sofrer maus tratos.

Pra quem gosta de filmes da Segunda Guerra, pra quem gosta de filmes franceses ou para quem simplesmente se emociona com uma história de amizade, amor, altruísmo.

Gostei muito.

 

 

– Sílvia Souza

Written by

6 Comments
  • P. disse:

    Aai, que lindo!!! Encontrei alguém tão apaixonado pela França quanto eu.hehe Vou olhar o filme indicado. E indico o meu favorito…a Delicadeza do Amor. Obrigada!

  • Olá! Adorei a dica! Amo filmes europeus e sempre bom me atualizar, né? Obrigada por seguir meu blog. Beijo e até mais.

  • Chronosfer disse:

    O cinema francês é muito bom e sensível. O tema, inesgotável, sempre nos revela uma face nova, diferente. Há um livro sobre os húngaros na Segunda Guerra muito bom: A ponte invisível de Julie Orringer que vale a leitura. Meu abraço.

  • Chronosfer disse:

    O cinema francês é muito sensível e denso. E a Segunda Guerra ainda tem muito a revelar. Há um livro sobre a presença dos húngaros no conflito – A ponte invisível de Julie Orringer- que vale a leitura. Meu abraço.

Instagram
  • #thubtenchodron #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #albertcamus #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #lamatseringeverest #citações #budismo #reflexõesdesilviasouza
  • #honorédebalzac #citações #trechosliterarios #amulherdetrintaanos #reflexõesdesilviasouza
  • #edmundburke #citações #reflexõesdesilviasouza