Filme
Previous post
Now reading

Cheiro de…

Cheiro de…
Cheiro de…

Fim de tarde. O sol vai aos poucos se escondendo no horizonte. Uma brisa fresca sopra e traz consigo os aromas do capim. Ao longe, o som de grilos, o coaxar dos sapos e alguns mugidos. Os sons se misturam ao perfume de grama e de terra e criam memórias essenciais da minha infância.

No pomar, laranjas maduras, limões azedos, mangas doces. Ao cheiro dessas frutas, mesclam-se os de outras e cada uma predomina em uma época do ano: abacaxi, jabuticabas, goiabas, mamão, pitangas e amoras. Cheiros da fazenda, da casa da minha avó, de infância e de carinho.

Na hora do almoço, antes mesmo da fome ser saciada, o odor do arroz com feijão, do bife que acabou de ser frito e preenche a cozinha e da abobrinha refogada; tudo cozido no fogão a lenha, que ainda crepita suavemente aquecendo o ambiente.

Meu avô chega com os cheiros de barro e esterco misturados ao suor do seu corpo depois de uma manhã de trabalho.

Depois do almoço, a canela em pó sendo polvilhada sobre o arroz doce; como eu não gosto, escolho o sagu com corante artificial sabor uva. Mas não é o sabor que conta… apenas o aroma que ele exala.

Minha avó gosta de plantas. Na horta atrás da casa, as fragrâncias de alecrim, hortelã, erva cidreira, manjericão, salsinha, cebolinha e outras ervas que eu não conheço.

Nos jardins que cercam sua casa na cidade, uma infinidade de cores e cheiros: rosas, margaridas, cravos, babosa; eu, nos meus poucos anos, não sei dizer o nome de cada uma daquelas flores, mas poderia inventar, porque elas fazem parte das minhas brincadeiras.

Minha avó não deixa de se perfumar depois do banho. Meu avô cheira a Grecin e desodorante masculino. Minha bisavó usa sabonete Johnson’s e tem aroma de bebê.

Posso olhar uma foto e me lembrar da minha infância. Mas sentir um perfume daquela época me transporta para cada uma daquelas memórias, como se eu as vivesse de novo…

Meus primeiros banhos de mar… o couro da sela do cavalo… o frango ensopado… a rosquinha de pinga… os bois sinueiros… o galinheiro… a casa de madeira… o queijo sendo amassado… o pão caseiro saindo do forno… os hibiscos… o leite derramando no fogão…

Cheiro da cera de carro que eu aplico com meu pai…

Cheiro da torta salgada que minha mãe prepara nos aniversários…

Cheiro da espiga de milho, do milho cortado, ralado, amassado… cheiro do curau, da pamonha e do bolo de milho…

Cheiro de infância, de carinho, de amor, de abraço…

Cheiro de família.

 

Written by

Instagram
  • #miguelestevescardoso #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #cesarecantú #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #thubtenchodron #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #albertcamus #citações #reflexõesdesilviasouza
  • #lamatseringeverest #citações #budismo #reflexõesdesilviasouza