9.07.2016

“On the terrace in Kharkov” de Zinaida Serebriakova (1919)

 

Meus filhos frequentam museus desde a mais tenra idade. Já visitaram vários museus de artes, de ciências, de história natural. Sempre que há uma exposição de algum artista conhecido, faço questão de levá-los.

Eles nunca reclamaram. Muito pelo contrário. Eles adoram.

Eu não conheço muito sobre arte. Fui aprendendo ao longo da minha vida, justamente por visitar museus e exposições.  Aos pouquinhos, fui aprendendo a conhecer os principais artistas, suas características e estilos, o movimento ao qual pertencem. E tentei passar uma parte dessa descoberta para eles.

Visitar museus nunca foi encarado como um passeio chato. Sempre foi preenchido com história, conversas, trocas de opiniões. E, com muita frequência, eles exploram mais as informações, interagem mais com as atividades que alguns museus oferecem, leem com maior atenção as explicações.

Às vezes, escuto de alguns pais que os filhos não gostam de ver exposições de obras de arte; portanto, eles deixam tais programas fora da agenda familiar. Eu acho uma pena. E fico me perguntando o que pode ter causado essa percepção.

É fato que moramos fora do Brasil por um tempinho. Isso facilitou bastante esse início aos grandes artistas e suas obras em diferentes museus. Mas não acho que seja uma condição necessária.

Vi, em museus em outros países, muitas crianças pequenas (5 ou 6 anos) tendo aulas nos museus. E outras mais velhas também.

Isso poderia ser incentivado no Brasil também. Ao menos em São Paulo, isso seria possível. Temos obras incríveis no MASP, no MAM, na Pinacoteca. E muitas exposições vêm sendo organizadas: Frida Kahlo, Joan Miró, Wassaly Kandinsky, Henri Matisse, Amedeo Modigliani, e tantos outros. Mesmo não tendo museus tão ricos quanto um Louvre, temos a chance de ver muita coisa linda aqui mesmo. E podemos estimular as crianças a vivenciarem esse mundo também, de uma forma lúdica e divertida.

E não só a arte pode interessar a elas. Os museus de ciências são incríveis para despertar a curiosidade em coisas que eles observam no cotidiano, mas nunca pensaram a respeito. O Catavento Cultural é um espaço maravilhoso, muito bem montado, pensado, estruturado, com muitas atividades divertidas e interativas. Além de ficar em um prédio lindo, com trens, aviões e outras máquinas em seu espaço exterior.

Não há desculpa para não levar os pequenos. Nem mesmo o custo. A maioria dos museus tem dias de visitação gratuita.

E tenho certeza de que a maioria dos pais que acha que os filhos não iriam gostar acabará se surpreendendo com a reação deles frente ao novo, ao colorido, ao divertido e às emoções contidas em cada obra ou criação que será admirada.

– Sílvia Souza

Sonnenblume_02_KMJ

  Meus filhos frequentam museus desde a mais tenra idade. Já visitaram vários museus de artes, de ciências, de história natural. Sempre que há uma exposição de algum artista conhecido, faço questão de levá-los. Eles nunca reclamaram. Muito pelo contrário. Eles adoram. Eu não conheço muito sobre arte. Fui aprendendo ao longo da minha vida, […]


  • Ótimo post !

  • Olá Silvia, mesmo um pequeno museu de províncias como Avila, tem muito a mostrar em termos de bens materiais, costumes e velhos hábitos. Os quartos destes edifícios têm uma atmosfera especial, o silêncio e até mesmo móveis antigos, agora que tudo evolui a uma velocidade vertiginosa, proporcionando uma paisagem tranquila de reflexão e passeo com as crianças. Um beijo.

    • Concordo com você.
      Meus filhos aprenderam a apreciar as visitas a museus e a se interessar pela história e pelas artes (também como algo vinculado aos momentos históricos).
      Infelizmente, não temos essa cultura no Brasil.
      Achei interessante em Buenos Aires o fato de termos visto vários passeios escolares por áreas históricas da cidade.
      Mas o Museu de Belas Artes (de entrada gratuita) estava bastante vazio para um domingo.
      Beijo!


%d blogueiros gostam disto:
DESIGN POR JESS