22.05.2016

15755597

 

Eu acompanhava a movimentação dos fãs na Internet na época em que o filme estava sendo produzido. Imagens dos atores, das locações, de Amsterdã. Nada disso me estimulava a ler o livro.

Entretanto, quando o filme estreou, eu estava sozinha e resolvi assisti-lo (afinal, ele dominava as salas e horários dos cinemas). Desde o início, gostei do filme, daquele amor adolescente, apesar de estar fadado a um desfecho triste. Chorei muito, em vários momentos. Adorei as gravações feitas em Amsterdã, que é uma cidade incrível, com passeios pela cidade e a Casa de Anne Frank. Gostei de muitas frases do filme, da forma como foram faladas e tive vontade de gravá-las para minha coleção de citações.

Foi por causa dessas citações que eu comprei o livro. Cheguei do cinema e resolvi comprá-lo em e-book, para poder lê-lo imediatamente e conseguir transcrever as frases que eu tinha gostado tanto.

 

 

Baixei o livro e completei a leitura em cerca de 2 horas, naquele mesmo dia. Fiquei completamente decepcionada! Talvez cumpra a finalidade de ser um livro para o público adolescente. A linguagem é simples, bastante coloquial e a leitura é rápida. Entra na categoria de muitos livros de escritores americanos (na minha opinião) que parecem ter sido feitos como roteiros de filmes; algo que será facilmente adaptado e será um best seller como livro e um grande sucesso de bilheteria enquanto filme.

Mas, afinal, o livro tem que ser fraco para atrair adolescentes? Não podem se acostumar a uma linguagem mais trabalhada e bem cuidada? Sei que estou fazendo críticas a um livro que é um absoluto sucesso, que tem a média de 4.31 estrelas (do total de 5) no GoodReadscom a avaliação tendo sido feita por 1.966.291 leitores (até a data de hoje) e com 132.244 resenhas feitas. Quem sou eu para criticá-lo, certo?

Acho John Green muito inteligente e bastante carismático, mas realmente, acho que a leitura oferecida a jovens (embora haja mais opções e eles estejam lendo mais) tem sido de qualidade ruim. Pode até ser interessante a colocação do problema da morte, de doenças terminais em jovens; mas o cuidado com a escrita não conta?

Conclusão: gostei do filme, das imagens, emocionei-me, mas fiquei decepcionada com o livro. E as falas que eu queria para minha coleção de citações não estavam no livro; provavelmente, o roteiro do filme tenha trabalhado melhor os diálogos. Coloco abaixo algumas citações originais do filme; mas vou deixá-las em inglês mesmo, da forma como extraí do site do IMDB.

Hello. My name is Hazel Grace Lancaster. And Augustus Waters was the star-crossed love of my life. Ours is an epic love story and I probably won’t be able to get more than a sentence out without disappearing into a puddle of tears. Like all real love stories, ours will die with us, as it should. You know, I’d kind of hoped that he’d be the one eulogizing me, because there is really no one else… Yeah, no, um… I’m not gonna talk about our love story, ‘cause I can’t. So instead I’m gonna talk about math. I’m not a mathematician, but I do know this: There are infinite numbers between zero and one. There’s point one, point one two, point one one two, and an infinite collection of others. Of course, there is a bigger set of infinite numbers between zero and two or between zero and a million. Some infinities are simply bigger than other infinities. A writer that we used to like taught us that. You know, I want more numbers than I’m likely to get, and God, do I want more days for Augustus Waters than what he got. But Gus, my love, I can not tell you how thankful I am, for our little infinity. You gave me a forever, within the numbered days. And for that I am… I am eternally grateful. I love you so much.

– Hazel

I am in love with you. And I know that love is just a shout into the void, and that oblivion is inevitable, and that we’re all doomed. And that one day all our labor will be returned to dust. And I know that the sun will swallow the only earth we will ever have. And I am in love with you.

– Augustus

I fell in love with him the way you fall asleep: Slowly, and then all at once.

– Hazel

I am mad! I’m mad because I think you’re special. And isn’t that enough? You think that the only way to lead a meaningful life, is for everyone to remember you. For everyone to love you! Guess what, Gus – this is your life! This is all you get! You get me, and you get your family and you get this world, and that’s it! And if that’s not enough for you, then I’m sorry, but its not nothing. Because I love you. And I’m going to remember you.

– Hazel

– Sílvia Souza

Sonnenblume_02_KMJ

  Eu acompanhava a movimentação dos fãs na Internet na época em que o filme estava sendo produzido. Imagens dos atores, das locações, de Amsterdã. Nada disso me estimulava a ler o livro. Entretanto, quando o filme estreou, eu estava sozinha e resolvi assisti-lo (afinal, ele dominava as salas e horários dos cinemas). Desde o […]


  • Nesta ocasião parece que o filme é vencedor. Eu não vi. Um abraço

    • Carlos, não acho que você tenha perdido muito por não ter visto o filme ou lido o livro. Nesse caso, realmente gostei mais do filme.
      Acho que existem (e existiram) escritores americanos absolutamente maravilhosos e qualquer generalização é ruim. Mas tenho uma grande tendência a achar que a maioria desses best sellers não possuem uma enorme qualidade literária.
      Perdoe-me se isso soa um pouco preconceituoso…


%d blogueiros gostam disto:
DESIGN POR JESS